domingo, 30 de março de 2008

diferente quotidiano

A diferença está que cada dia aprendemos algo novo sobre nós. Não há que falar por meios escondidos,nao há que dizer mais do que o fundamental. Não existe um topo,muito menos um fundo. Não se trata de mais ou de menos,embora no conhecimento proprio de ser seria mais. Não se mede,mas essa conclusao ja foi tirada há bastante.Mas qual é a diferença? Será que perco por ter menos tempo partilhado sem ser no patamar agora vivido,acho que ganho até. A diferença em que ganhamos é que cada dia aprendemos algo novo sobre nós,e nunca vamos deixar de o fazer,porque pouco sabemos ainda. E venham me dizer que é sempre assim,que foi assim,que nao se trata de uma mera tentativa de confundir pensamentos e virá-los para a ideia que quero transmitir.Podem dizer,podem falar,convencer tudo e todos que é assim. Mas não é. Claro que sempre é assim, mas de uma maneira muito minuciosa,ao que agora é grandiosa. Nunca se esgota o conhecimento,e falamos dele como e estivessemos a falar de inteligência quando se falar de amor. A diferença é que todos os dias há mais, foi isso que outrora falhou talvez. Mas não é a falha passada que interessa,é passado isso mesmo, e nao deixará de o ser. Mas é a grande diferença com que digo que sim ganho todos os dias.
Contigo.
Março/Abril 2008

sábado, 8 de março de 2008

-Tu olharás, de noite, as estrelas. A minha não aparece sempre tu sabes,viajante.É melhor assim, a minha estrela será então qualquer das estrelas. Gostarás de olhar todas elas... Serão, todas, tuas amigas. E depois, eu vou fazer-te um presente...E sorri outra vez.
- Ah! meu pedacinho de gente, meu amor, como eu gosto de ouvir esse riso!
- Pois é ele o meu presente...Tu,terás estrelas como ninguém...
- Que queres dizer?
- Quando olhares o céu de noite, porque habitarei uma delas, porque numa delas estarei sorrindo, então será como se todas as estrelas sorrisem para ti! E tu terás estrelas que sabem sorrir!E sorri mais uma vez.
- E quando te tiveres consolado (a gente sempre se consola), tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo. Terás vontade de rir comigo. E abrirás às vezes a janela à toa, por gosto... E teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Tu explicarás então: "Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!" E eles te julgarão maluco. É o nosso segredo.E ri de novo.
- Será bonito, sabes? Eu também olharei as estrelas. Todas as estrelas serão um abraço amigo. Todas as estrelas me darão a mão com esse calor...
Ele calou-se....

«em nossa honra ~ data »
O príncipezinho - Antoine Saint Exupéry