segunda-feira, 29 de março de 2010

boa vista (1)

A grandeza torna as coisas impessoais. Talvez de início pense: 'gostava de ter um castelo muito grande como este'. Mas depois, entre isso e uma cabana junto ao mar ou uma casinha no campo escolheria a opção mais pequena. O homem está realmente internamente ligado, queira ou não, à natureza. E ela é grande por si só. Não precisamos de um castelo para o sentir. Por isso para mim, este castelo no meio da areia, com mil e quinhentas pessoas, não serve. O único lugar vasto, amplo, sem fim, onde eu senti que lá queria viver e correr pela erva fora, foi Versailles. Sim, esse jardim sim, com aquela espécie de canal, aquele arvoredo todo, aí eu sentiria-me parte dele. Agora este castelo de areia, bastou o caminho da praia ao quarto para deixar de achar que gostava de ter um castelo como este. Embora as dunas enormes que o tapam sejam magestrais.

domingo, 28 de março de 2010

foi menos uma hora

Foge, há quanto tempo não sentia aquele friozinho a despedir-me de alguém? Há quanto tempo não achava que deixava alguma coisa para trás... E descanso finalmente, foram três meses pesados. Sete dias para descansar. Se duvidei em novembro, em dezembro, em janeiro, em fevereiro, que tanto deixava aqui, agora já não o faço. E não se trata de uma pessoa só. Talvez seja desta previsão de descanso que esta semana tenha sido o encaixe, de tudo na caixa certa. Mas mesmo mesmo. Em tudo tudo. Virão as férias para virar tudo do avesso, com certeza. Mas por agora, acho que não é preciso nenhuma revolução. Está encontrada a resolução. Ou não. Pode cair mal este jogo fonético mas é madrugada e o itunes não passa as músicas que eu quero, e amanhã (ou hoje) vou levantar-me cedo, muito cedo, para receber o merecido descanso. Quanto ao friozinho, bem, em Cabo Verde está calor para compensar, mas havia aqui lugar para mais alguém.

domingo, 14 de março de 2010

Vê que o sol ainda brilha, ainda tem por onde arder
Não é mau, não é bom, são razões para viver

quinta-feira, 4 de março de 2010